Por: Vinicius Zart

CREF: 014991 - G/RS

Coach e CEO ZartFit

7 de julho de 2015

8 min. de leitura

280 compart.

A pergunta correta seria: caminhada ou corrida, qual a melhor para eu fazer agora?

Já falei um pouco desse assunto em outro artigo, sobre métodos de treinamento, onde é necessário que você entenda que em treinamento físico não existe uma unanimidade, algo que seja bom para todo mundo.

Existem métodos ou modalidades para as pessoas certas no momento mais adequado e na forma mais coerente de serem praticados, do ponto de vista anatômico e fisiológico.

Esses esclarecimentos, que são a base de qualquer treinamento, se fazem cada vez mais necessários pois esse tipo de comparação entre métodos ou entre modalidades está entre as pesquisas mais realizadas no google, principalmente quando o interesse é estético, de emagrecimento ou de aumento no desempenho.

Quanto a escolha por caminhada ou corrida como prática regular, ocorre o mesmo processo de análise de alguns fatores pessoais, como histórico de saúde, nível de condicionamento físico, objetivos e outros mais específicos. Entendida essa parte, vamos prosseguir.

Quais as semelhanças entre caminhada e corrida? Quais os seus benefícios?

Ambas são atividades cíclicas, ou seja, gestos contínuos e prolongados, que proporcionam, resumidamente, a manutenção ou aumento no condicionamento cardiorrespiratório, gasto calórico e fortalecimento muscular, principalmente de membros inferiores.

E as suas diferenças?

Evidente que a principal delas é a intensidade – frequência maior de passadas, maior velocidade – o que influencia significativamente na prática.

O quanto uma é mais intensa que a outra é impossível dizer quando estamos comparando duas palavras tão amplas: corrida e caminhada. As duas atividades podem ser feitas em velocidades variadas, então isso é muito relativo.

Além da velocidade, o fator condicionamento físico também altera a percepção da intensidade, podendo para algumas pessoas uma caminhada ser considerada um trabalho mais intenso.

Por exemplo, para alguém com um condicionamento físico muito baixo ou alguma cardiopatia, doença pulmonar, etc.

Então não quer dizer, necessariamente, que para treinar intenso você tenha que correr em velocidade de prova de 100m rasos.

Caminhada ou Corrida

Por outro lado, para um atleta profissional, até mesmo uma corrida ou trote, no ritmo que talvez você esteja acostumado a fazer ou ver pelas ruas, pode ser considerado um treinamento de baixa intensidade, por causa do seu alto nível de performance.

Outra diferença é na ação biomecânica de cada atividade. Enquanto na caminhada, em vários momentos você está com os dois pés em contato com o solo, na corrida existem momentos que ambos estão sem contato, como se desse vários pequenos saltos consecutivos.

Como as diferenças impactam nos benefícios das atividades?

As variações de intensidade impactam em todos os benefícios citados sobre as atividades cíclicas.

Quanto a melhora de condicionamento cardiorrespiratório, na verdade vai depender de qual o seu objetivo.

Se for correr em provas de velocidade, será feito um tipo de treinamento, se for provas de longa duração, por exemplo, outro treinamento.

Em ambos estará melhorando seu sistema cardiorrespiratório, tornando seu organismo mais preparado para um ou outro tipo de exigência.

Quanto ao gasto calórico, que é um tema do interesse de muitos, uma maior intensidade promove, comprovadamente, um maior gasto calórico.

Por isso a recente “onda” de procura, por parte dos praticantes de exercícios e até mesmo quem nunca fez nada, por métodos mais intensos de treinamento. Mas esse é um tema que será discutido mais detalhadamente em breve.

Em relação ao fortalecimento muscular, também depende do seu objetivo, pois um treinamento mais intenso geralmente promove um maior ganho de força e volume muscular.

Um treinamento de maior duração, por sua vez, promove maiores benefícios na capacidade de resistência muscular.

Ambos treinamentos fortalecem a musculatura, de uma maneira ou outra, principalmente de membros inferiores, pois são os grupos mais utilizados nas atividades, juntamente com a musculatura do tronco.

A diferença de ação biomecânica também é bem significativa, pois o fato de você dar aqueles “pequenos saltos consecutivos”, aumenta a exigência muscular, sendo necessário que ela esteja mais preparada para não sobrecarregar o sistema articular.

No que essas diferenças refletem, na prática?

Em termos de saúde, se você tiver alguma limitação cardiológica ou respiratória, como insuficiência cardíaca, alterações na pressão arterial, asma, entre outras, é fundamental treinar na intensidade correta, de acordo com a patologia e seu grau de evolução. 

Se estiver passando por algum período pós operatório, com certeza também é imprescindível esse cuidado. 

Se você já tiver alguma lesão ou desgaste articular, dependendo do caso, priorize a caminhada ou até mesmo a bicicleta ou elíptico, pois são atividades cíclicas com menor impacto articular. Atividades na água também são excelentes nesses casos.

Isso quer dizer que não devo fazer corrida ou outro tipo de treinamento mais intenso?

Com certeza, deve fazer, mas no momento certo! A corrida, comparada com a caminhada, promove um condicionamento físico mais acentuado, de uma maneira geral, pois exige mais de todos os nossos sistemas.

Uma maior frequência de passadas necessita de uma maior oferta de oxigênio nos músculos que estão realizando o esforço, para se manter o ritmo.

Para proporcionar essa maior oferta, todo sistema cardiorrespiratório (coração, pulmões, etc) tem que trabalhar de uma maneira mais acelerada e eficiente.

Por esse ser um desafio maior, há uma maior evolução no condicionamento, como “recompensa”.

Caminhada ou Corrida

Portanto, da mesma forma, uma maior exigência requer um maior preparo, um período de adaptação do organismo a esse tipo de treinamento. 

Ninguém sai correndo intensamente sem nunca ter feito exercício ou estando há muitos anos sem fazer. Ou melhor, não deveria fazer isso!

Ao mesmo tempo, se você ficar vários meses fazendo uma caminhada, no mesmo ritmo e duração, não irá mais aumentar seu condicionamento cardiorrespiratório.

Estará fazendo no máximo um trabalho de manutenção, portanto todo treinamento deve progredir.

No caso de lesões articulares ou musculares, dependendo de quais e também do grau, você até pode correr, depois de realizar a reabilitação do movimento, eliminar as dores e fazer um trabalho de fortalecimento na região, ou seja, se preparar para a atividade.

Como saber o que é ou não intenso e mais adequado para mim? Será que devo caminhar ou correr?

Esse papel é do profissional de educação física, de avaliar suas necessidades, prescrever e orientar todos os seus exercícios e sessões de treinamento.

Saber exatamente e detalhadamente o que fazer, não deve ser uma preocupação sua. Muito menos o nível de intensidade que é ou não adequado para o seu momento atual, objetivos e histórico de saúde.

O que você deve sim entender e ter uma visão geral são esses fatores que discutimos, como as diferenças entre uma atividade e outra, seus benefícios e conceitos básicos, para poder fazer uma melhor escolha de serviços de orientação.

Se você tem interesse nesse assunto de corridas ou outros tipos de treinamento aeróbio, continue acompanhando nossa comunicação no blog ou redes sociais, que em breve publicaremos outros conteúdos mais aprofundados sobre o tema.

Deixe sua opinião: